Fernando Brandão vence concurso de projeto para Pavilhão do Brasil na Expo Xangai 2010 | PiniWeb

Arquitetura

Fernando Brandão vence concurso de projeto para Pavilhão do Brasil na Expo Xangai 2010

Com o tema "Cidades Pulsantes", concepção arquitetônica é baseada no artesanato, cotidiano e cores que remetem ao País

Por Ana Paula Rocha
22/Maio/2009

O projeto do arquiteto Fernando Brandão foi escolhido pela AsBEA (Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura) e a APEX (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) para o Pavilhão Brasileiro na Expo Xangai 2010. Concorriam com Brandão os projetos de Klaus Dal Pai Bohne, do Tria Sistemas de Arquitetura, e de Gustavo T. Bertozzi, do Nexo Arquitetura e Construções.

Divulgação

Como o tema da exposição universal é "Better City, Better Life" (em tradução literal, "Cidade Melhor, Vida Melhor"), o projeto vencedor é baseado nas "Cidades Pulsantes" do Brasil. Segundo informações de Marcel Tanaka, arquiteto do escritório Fernando Brandão Arquitetura + Design e colaborador do projeto, a fachada do pavilhão, na forma de um parêntese invertido, representa justamente essa pulsação. "Em desenhos animados essa forma sempre representa algo vibrando, pulsando. Por isso, desenvolvemos essa fachada", explica Tanaka.

De acordo com ele, a fachada será feita com pedaços sobrepostos de madeira reciclada e pintada de verde, que serão apoiadas em uma estrutura metálica. Tanto a cor, que representa a bandeira nacional, quanto as madeiras sobrepostas, que lembram os artesanatos em palha, são referências ao País.

O pavilhão possuirá dois pavimentos. No superior, no qual os visitantes entrarão primeiro ao subir uma passarela, está prevista uma sala de espelhos que refletirão vídeos com atmosferas de urbanidades brasileiras, como a avenida Paulista, o metrô da Sé e a praia de Copacabana.

Já no térreo, os visitantes encontrarão referências da Copa do Mundo de 2014, painéis mostrando projetos de sustentabilidade e urbanismo em todo o País e um lounge televisivo, para que o espectador tenha contato com o cotidiano brasileiro. Por fim, ao sair do pavilhão, terá uma loja com produtos do País e um restaurante com comida típica brasileira.

Segundo Tanaka, ainda poderão ser feitas modificações no projeto até 2010.

O concurso
De acordo com o vice-presidente da AsBea, Fernando Pinheiro, a realização do concurso para o projeto do pavilhão do Brasil na Expo Xangai 2010 foi uma solicitação da APEX. A concorrência faz parte de um pacote de ações desenvolvidas pelas duas entidades por meio de um  convênio de cooperação. "Trata-se de um projeto setorial integrado para promoção das exportações de serviços de arquitetura, com o objetivo de construir um ambiente favorável ao desenvolvimento de uma cultura exportadora para o setor de arquitetura nacional, por meio do incremento da presença de profissionais brasileiros no cenário internacional e do fortalecimento da imagem da arquitetura brasileira", explica Pinheiro.

Por orientação da Apex, foram convidados para o concurso os 65 primeiros escritórios associados à AsBEA que aderiram ao Convênio de Cooperação. Entre os convidados, dez escritórios manifestaram interesse em participar do processo, sendo que três disputaram a final: Fernando Brandão Arquitetura + Design, Nexo Arquitetura e Construções e TRIA - Sistemas de Arquitetura.

O júri foi composto pelo arquiteto Fernando Serapião, editor executivo da revista Projeto Design, Ronaldo Rezende - Presidente da AsBEA, Henrique Cambiaghi - Conselheiro Deliberativo AsBEA, Coordenador do Prêmio AsBEA, Fernando Pinheiro, vice-presidente da AsBEA e titular do escritório LimaPinheiro Associados e Guilherme Takeda, Conselheiro Consultivo da AsBEA.

De acordo com Pinheiro, a escolha de Fernando Brandão foi baseada nos seguintes aspectos: originalidade, criatividade, exeqüibilidade, flexibilidade, clareza no conceito e qualificação técnica do escritório. "Mesmo tendo como base uma construção pré-existente, a proposta escolhida consegue dar identidade forte e marcante ao projeto, utilizando materiais simples e de fácil execução".

Confira, na íntegra, comunicado de Fernando Pinheiro sobre os critérios de decisão do júri para a escolha do projeto:

"A questão da flexibilidade dos diversos ambientes permeia o projeto, por exemplo, a sala dos espelhos atende às exigências programáticas, tais como espaço expositivo, auditório ou local para jantares e/ou coquetéis. O projeto prevê infraestrutura para todas estas atividades.

Outro ponto relevante previsto é a questão dos diversos tipos de público que freqüentarão o local, desde autoridades a visitantes. A questão dos acessos independentes está bem resolvida e com infraestrutura adequada.

Importante ressaltar a solução dada para o acesso através de rampa perimetral com declividade pouco acentuada, coberta e protegida, que serve como pulmão para as filas e ao mesmo tempo possibilita o inicio do espaço expositivo.

Verificou-se também que o escritório apresenta vivência internacional em montagens de espaços expositivos temporários".

Participe do fórum:
Você acha que os processos de concorrência de projetos no Brasil são transparentes?

Divulgação
Auditório

Divulgação
Espaço referencia a Copa 2014

Divulgação
Sala de espelhos

Divulgação
Lounge televisivo


Revistas Pini
Destaques da Loja Pini
Aplicativos